"Quer você goste ou não, alcançar e ensinar as crianças do mundo de hoje é uma questão de vida ou morte.
Que você seja encontrado fiel enquanto transmite a Palavra da Vida para uma geração em perigo." (Warren W. Wiersbe)

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Acabei de receber este e-mail. Vamos orar?


Convido e desafio você a interceder pessoalmente e/ou com outros intercessores para que as crianças com deficiências sejam alcançadas com a mensagem do evangelho e possamos ver muitas destas crianças e suas famílias em nossas igrejas. Onde estão estas crianças?

Dia Especial de Oração - 21 de setembro:
Em favor das Crianças com Deficiências!

Veja a história de Helen Keller, em 3 partes, e inspire o seu coração para a oração:

1ª parte:
http://youtu.be/hs_c0EEHrGg

2ª parte:
http://youtu.be/GpvQnqWHH6g

3ª e última parte:
http://youtu.be/aBXX33ms4rw

FLASH SOBRE DEFICIÊNCIA - PARA MOTIVAR AS SUAS ORAÇÕES:
1. Oferecer aparelhos adequados para ajudar as pessoas a se movimentarem, permite uma independência maior e, talvez, acesso ao trabalho.
2. Ensinar atividades para a vida diária diminui a dependência das crianças com deficiências, e os pais têm mais tempo para outras atividades.
3. Ensinar a linguagem dos sinais permite que as pessoas surdas se integrem às outras pessoas e se tornem membros da comunidade mais confiantes e produtivos.
4. Os cuidados com a saúde (por exemplo, vacinas, nutrição) e as necessidades educacionais são as mesmas para todas as pessoas, mas as evidências sugerem que há desigualdade:
•As crianças com deficiência têm uma maior probabilidade de morrerem jovens por serem pobres ou negligenciadas.
•As crianças com deficiência têm maior probabilidade de serem mal-nutridas.
•Em alguns países, 80% das crianças com deficiências podem morrer com menos de cinco anos.
•Menos de 2% das crianças com deficiências sérias recebem educação nos países em desenvolvimento.
•As mulheres com deficiência têm 2 a 3 vezes mais probabilidade de serem vítimas de abuso físico ou sexual.
5. A deficiência está vinculada à pobreza, razão pela qual é necessário ter planos e estratégias para ajudar estas pessoas especiais.
6. A meta de quem trabalha com deficientes deve ser trabalhar com as suas capacidades e não com as suas deficiências.

OS BEM-AVENTURADOS NA VISÃO DA CRIANÇA DEFICIENTE - ORE PARA SER UMA PESSOA BEM-AVENTURADA:
1. Bem aventurados os que compreendem o meu estranho caminhar e as minhas mãos atrofiadas.
2. Bem aventurados os que sabem que os meus ouvidos têm que se esforçar para compreender o que dizem.
3. Bem aventurados os que compreendem que, ainda que os meus olhos brilhem, minha mente é lenta.
4. Bem aventurados os que olham e não vêem a comida que eu deixo cair fora do prato.
5. Bem aventurados os que, com um sorriso nos lábios, me estimulam a tentar mais uma vez.

Pr. Gilberto Celeti
Superintendente da APEC no Brasil

2 comentários:

  1. Pedrocapipoca e tia lee, fiquei muiiiiiiiiiito contente que vocês estão trabalhando também em favor das crianças deficientes. Precisamos descobrir maneiras de alcançá-las e também desafiar o povo de Deus para que saia a procura destas crianças e de alguma maneira ajude as famílias que têm crianças deficientes. É muito raro encontrar famílias assim em nossas igrejas. Por que?

    ResponderExcluir
  2. Rosalee (Tia Lee) e Pedroca (Pedro)28 de setembro de 2011 08:47

    Pastor Gilberto,
    Acredito que muitas famílias encontram-se agora em sua própria zona de conforto. Estão acostumadas a repassar pelo ciberespaço piadas, comentários sobre futebol, às vezes até mesmo imoralidades, mas isso não as incomoda. Incomoda para muitos buscar alegria para o outro e não para si próprio. Eu vi pela primeira vez a história de Helen Keller em filme quando era uma criança, e a dedicação daquela moç sempre me tocou muito. Eu ficava pensando que ela poderia ter se casado, ter tido filhos e ter cuidado de si mesma ao invés de cuidar de Helen, mas ela abriu mão de si própria em favor de outrem. Acabei de receber um e-mail sobre o discurso de um pai numa festa da escola de seu filho que é deficiente (é uma escola para crianças especiais) e ele se pergunta aonde está a perfeição de Deus na vida de seu filho, então passa a relatar um fato ocorrido com o filho e conclui que a perfeição de Deus está no modo como reagimos a estas crianças e não no modo como elas agem. Não é verdade? Oremos por estas crianças.
    Obrigada por compartilhar este e-mail conosco.
    Em Janeiro de 2012 estaremos no ILMC, se assim o Pai o permitir!

    ResponderExcluir